Ney Filardi deixa presidência da União da Ilha do Governador

Ney fica no cargo oficialmente até o dia 8, quando terá a eleição na escola

Foto: Divulgação

Após 10 anos à frente da União da Ilha, Ney Filardi deixa a presidência da agremiação insulana. Ney, que fica no cargo oficialmente até o dia 8, quando terá a eleição na escola, publicou uma carta de despedida em que numera as dificuldades enfrentadas e as suas conquistas.

– Termino o meu mandato muito triste por não ter dado a vocês, o tão sonhado título do carnaval do Grupo Especial. Os mais próximos sabem como tentei e lutei! Mas tem coisas que independem de nossas vontades – conta Ney em sua carta.

No próximo domingo Djalma Falcão, que hoje é vice-presidente, deverá ser aclamado presidente por constituir chapa única.

Nota de despedida do presidente

“Um belo dia ao cargo de presidente da União da Ilha me candidatei. O ano era de 2008, e tive uma grande adversária (Leila Gazelle), a quem sempre respeitei. Quis o destino que eu fosse eleito, e na cadeira de presidente eu sentei. Em seguida, ao tomar pé da real situação, me assustei. Mas ao longo do meu primeiro triênio diversas feitorias realizei:

– saneamento das dívidas de administrações passadas
– aquisição de máquinas industriais (de corte e costura)
– estacionamento da quadra totalmente pavimentado
– compra de sete carros alegóricos (todos motorizados)
– compra de 80% de novos instrumentos usados pela bateria (os mesmos já tinham 20 anos de uso)
– reforma de todos os banheiros da quadra
– pintura geral da quadra e barracão
– realização de shows e eventos na quadra
– resgate de cheques
– pagamentos de títulos protestados
– ações trabalhistas todas pagas
– ações cíveis resolvidas
– regularização junto a Cedae
– obra da quadra em parceria com a prefeitura

O dia 21 de fevereiro de 2009 entrou para a história da União da Ilha. Sexta escola a desfilar na Marquês de Sapucaí, no sábado de carnaval, a Ilha contagiou a avenida e fez um desfile inesquecível com o enredo: “Viajar é preciso: viagens extraordinárias através de mundos conhecidos e desconhecidos”, assinado pelo carnavalesco Jack Vasconcelos, e sagrou-se campeã do grupo de acesso. O sonho de retornar ao Grupo Especial após oito anos na Série A, tornava-se realidade e a comunidade, enfim, pôde soltar o grito de “é campeã”. Agradeço a todos, que com seu trabalho e dedicação contribuíram de forma direta ou indireta com o nosso sucesso, culminando com o grande campeonato no acesso e o nosso retorno ao especial, lugar onde nunca deveríamos ter saído!

Depois de longos e árduos anos voltamos a fazer da elite do samba carioca em 2010. Nunca é tarde para uma recuperação, quando existe trabalho sério de uma marca forte e de uma grande comunidade. Não medimos esforços e contratamos para a escola, a renomada e campeoníssima carnavalesca Rosa Magalhães. A parceria deu certo e a Ilha quebrou o tabu que já durava alguns anos, quando a escola que vinha do grupo de acesso no ano anterior, acabava sendo rebaixada no primeiro ano que retornava ao Grupo Especial. Ao entrarmos pela primeira vez na Cidade do Samba, sequer uma mobília havia. Mas de forma gradativa conseguimos “arrumar a casa” e nos estruturamos em todos os sentidos.

Em 2011, o fogo destruiu todas as fantasias da comunidade e o carro da aranha, um dos mais comentados na Cidade do Samba naquele carnaval.. Contudo, não queimou o brilho e o amor pela União da Ilha. Mais um obstáculo foi ultrapassasdo e mostramos ao mundo do samba que não existe comunidade igual a nossa! Outra vez, o destino fez com que no carnaval daquele ano, nossa escola desfilasse no dia 7 de março, data em que comemorávamos 58 anos de fundação. E tivemos um final feliz nessa história, com 3 Estandartes de Ouro: melhor escola, melhor enredo (O mistério da vida) e melhor intérprete.

Passado o carnaval, um mês depois fui reeleito presidente por aclamação (fato inédito na história das eleições) e 90% das alas passaram a ser de comunidade. Para encerrrar um ano intenso, em dezembro, dois grandes momentos: na madrugada do dia 2 para o dia 3 de dezembro, nossa agremiação retornou ao barracão na Cidade do Samba, que ficou interditado por quase 10 meses, devido as obras de reparação dos andares que foram destruídos no incêndio (nesse tempo alugamos um ateliê de 3 andares no bairro de Santo Cristo, para que não atrapalhasse o planejamento para o carnaval do ano seguinte). No dia 18 de dezembro, nossa quadra foi reinaugurada “novinha em folha”, mais espaçosa, totalmente adaptada à pessoas portadoras de necessidades especiais, com um novo palco, novos banheiros, bares e tratamento acústico especial.

Em setembro de 2012, cumpri mais uma promessa e inaugurei o sistema de ar condicionado central da quadra. Para coroar fomos eleitos pelo júri do jornal O DIA, como “a quadra mais bonita do Rio” (som, clima, acesso, limpeza, segurança…). Já em 2013, novamente reeleito por aclamação, 2 geradores foram comprados em definitivo tornando-se mais um patrimônio para nossa agremiação.

O ano de 2014 foi muito especial para nossa escola. Após duas décadas voltamos a brilhar no desfile das campeãs, no sábado de carnaval. “Brincamos” e brilhamos na avenida, com o enredo “É brinquedo, é brincadeira. A Ilha vai levantar poeira” (do carnavalesco Alex de Souza). O quarto lugar veio coroar todo empenho da comunidade e demais segmentos da agremiação.

No ano em que encantamos a avenida, a IIha começou a preparar o “quintal do amanhã” para as futuras gerações que cuidarão do seu legado. Em 23 de agosto de 2014, um sonho antigo se tornou realidade e foi fundada a Cavalinhos Marinhos da Ilha, sendo a primeira escola de samba mirim da Ilha do Governador. O batismo da nova agremiação aconteceu em dezembro. Oficinas de escolinha de bateria, passistas, mestres-salas e portas-bandeiras também foram criadas com sucesso na quadra. No ano seguinte, o lado social dos projetos de leitura e arte para crianças começava a sair do papel, e hoje é um grande sucesso.

Outro sonho concretizado ocorreu no dia 23 de abril de 2016, quando fomos pioneiros e inauguramos a primeira capela de São Jorge, numa quadra de escola de samba (no estacionamento anexo). Desde então, missas e batizados são celebrados no local. Em dezembro, foi a vez de ser lançada a velha guarda musical da União da Ilha.

Para finalizar quero dizer a todos que errar é humano! Ao longo desses 10 anos no comando da escola, tive inúmeras falhas, como por exemplo, na escolha do enredo sobre olimpíadas em 2016.

Termino o meu mandato muito triste por não ter dado a vocês, o tão sonhado título do carnaval do Grupo Especial. Os mais próximos sabem como tentei e lutei! Mas tem coisas que independem de nossas vontades.

“No alto daquela colina…tem uma luz, uma imagem divina…Que nos ensina o que é paz e amor”… Papai do Céu, ilumine sempre a União da Ilha do Governador!

Minha eterna gratidão à todos”!

um grande abraço

Ney Filardi
Presidente