Moradores protestam contra remoções em terreno da Aeronáutica no Galeão

Cerca de 100 famílias habitam o local, que faz parte da Vila Militar, há décadas

Moradores protestam contra remocoes em terreno da Aeronautica  no Galeao
Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil

Moradores da localidade Rádio Sonda, no Galeão, fizeram um protesto na manhã desta quarta-feira (8) contra remoções que começaram na semana passada, após a Justiça determinar a reintegração de posse do terreno. A área pertence a Aeronáutica e faz parte da Vila Militar do Galeão, mas é habitada por cerca de 100 famílias há décadas.

Na quinta-feira passada, duas famílias foram removidas e uma casa chegou a ser demolida, três horas após a chegada do oficial de justiça com a ordem de despejo. Eliana de Castro, de 43 anos, viveu toda a vida na residência, onde morava com a filha e o irmão, que sofre de esquizofrenia. Quando a família dela se mudou, era uma quitinete, que foi sendo ampliada ao longo dos anos por meio de obras em que a própria Eliana trabalhou ajudando a carregar materiais.

“Em vez de tirarmos os moradores de rua [das ruas], estamos colocando mais pessoas na rua? Que sociedade é essa?”, questionou Eliana, que está morando de favor na casa de uma vizinha, onde também estão seus móveis. “Tirei o máximo que eu pude tirar. Não consegui tirar o tanque, nem a pia inox nem a louça do banheiro. Não deu”.

O terreno ao lado de Eliana, onde há uma residência geminada em que vivem três famílias, tinha a reintegração de posse marcada para hoje. Enquanto o protesto acontecia, a família de Ana Lúcia Fernandes retirava os últimos móveis para levar para a casa de um vizinho.

Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil
Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil

“Nossas coisas não foram arrumadas como uma mudança. Nossas roupas foram em sacos de lixo”, disse Ana Lúcia, cuja mãe tem 76 anos, é hipertensa, e morava na casa ao lado. “Minha mãe tem bisnetos aqui. Os filhos tiveram filhos, e os netos tiveram filhos”.

O presidente da associação de moradores, Silvio Roza, também foi expulso de casa na semana passada. Depois que sua família deixou a residência em que morava há 30 anos, a Aeronáutica pintou o muro de branco e azul, com o aviso “área militar”.

“Deveriam ter chegado na minha casa, notificado e dado um prazo. Foi uma coisa vergonhosa”, criticou Silvio, que afirmou ter recebido a casa da própria Aeronáutica, por ela ser considerada inviável para reformas. Segundo ele, outros moradores tinham autorização para morar no local e chegaram a pagar contas como consumo de água. Moradores antigos afirmam que chegaram na área antes da construção da Vila Militar e não foram impedidos de fazer obras no local.

O prefeito de aeronáutica do Galeão, coronel Fernando de Oliveira, explicou que os processos foram iniciados em 1998 e que a decisão que permite a reintegração é do ano passado. Ele disse que a prefeitura desconhece qualquer autorização para que a área fosse habitada.

“O terreno é da União, independentemente da Vila Militar. Não há dúvidas quanto a isso. E o que é da União não pode ser ocupado por particulares”, disse o militar. “A decisão é da Justiça, não posso discutir a decisão. Só posso cumprir”.

Segundo o coronel, as casas avaliadas em condições poderão ser transformadas em moradias funcionais para os militares e a área é considerada estratégica pela força. Apesar disso, não foi especificado se há projeto para o uso do terreno.

Fonte: Vinicius Lisboa / Agência Brasil