Jovens mortos no Dendê são sepultados e moradores fazem novo protesto

Uma frase com os dizeres “também morre quem atira. 70% dos favelados morrem antes dos 30 anos” foi pichada no muro do cemitério.

Jovens mortos no Morro do Dende sao sepultados e moradores fazem novo protesto

Cerca de 300 pessoas acompanharam os enterros dos dois jovens mortos durante a operação da Polícia Civil no Morro do Dendê, na tarde desta quarta-feira no Cemitério do Cacuia. Muitos caminharam do Cocotá ao Cacuia protestando, mas até o momento não foram registrados grandes atos de vandalismos. Uma frase com os dizeres “também morre quem atira. 70% dos favelados morrem antes dos 30 anos” foi pichada no muro do cemitério.

Os dois foram mortos ontem durante uma operação da Polícia Civil no Morro do Dendê. Segundo os moradores o estudante Gilson da Silva dos Santos, de 13 anos, e o carregador Wanderson Jesus Martins, de 24, foram mortos pelos policiais no interior de uma padaria onde estavam abrigados do tiroteio. Já a Polícia Civil alega que foram apreendidas duas pistolas com Gilson e Wanderson.

A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) deve acompanhar o caso. No local onde ocorreram as duas mortes, já foi realizada perícia e a Delegacia de Homicídios da Capital (DH) instaurou inquérito para apurar as circunstâncias do caso.