Botafogo perde em casa mas segue com ótimas chances de classificação

O Botafogo depende apenas de suas forças para se classificar

Foto: Satiro Sodré / SSPress / Botafogo
Foto: Satiro Sodré / SSPress / Botafogo

A noite não foi do Botafogo. Contra um Barcelona (EQU) que se defendeu bem e atacou em alta velocidade, o time alvinegro perdeu por 2 a 0, nesta terça-feira, no Estádio Nilton Santos, e se manteve com 7 pontos, em segundo lugar de seu grupo na Conmebol Libertadores Bridgestone.

O Botafogo depende apenas de suas forças para se classificar e tem como próximo adversário o Atlético Nacional (COL), no dia 18 de maio, no Estádio Nilton Santos. Antes, estreia no Campeonato Brasileiro, contra o Grêmio, dia 14, em Porto Alegre.

O JOGO

Em clima de pressão, Estádio Nilton Santos lotado, escudos distribuídos para a torcida e animação, o Botafogo se viu diante de um rival que soube usar as adversidades a seu favor. O Barcelona (EQU) se organizou defensivamente e apostou na velocidade do contra-ataque.

A arma do rival deu resultado aos 7 minutos. Após roubada de bola, Alemán esticou para Ayovi disparar, vencer Carli e tocar na saída de Gatito para fazer 1 a 0.

Com a desvantagem, o Botafogo foi para cima e teve ótima oportunidade. Depois de sobra de escanteio, Camilo cruzou na medida e Emerson, livre, cabeceou sobre o gol. Aos 16, o meia levou perigo com chute desviado que passou perto.

Outra ótima oportunidade veio aos 19. Camilo deu bom passe e Guilherme arrancou livre desde o meio-de-campo, porém foi tocado por seu marcador, tentou seguir o jogo e foi desarmado. Para piorar, novamente em velocidade, o Barcelona achou seu segundo gol. Jonathan Alves arrancou e se antecipou a Gatito e Emerson Silva para mandar para a rede.

Em casa, com 2 a 0 contra, não restava alternativa ao Botafogo a não ser atacar. Mas então Banguera começou a aparecer. Ele fez boas defesas em chutes de Guilherme e João Paulo e cortou cruzamento de Victor Luis que chegaria a Sassá.

Na etapa final, o Barcelona ameaçou duas vezes com Calderón: uma falta no travessão e um gol bem anulado. O Botafogo voltou com Roger e Marcelo nos lugares de Camilo e Emerson Silva, pressionou, mas não foi eficiente.

Não foi por falta de tentativas. Guilerme finalizou para fora; Roger bateu, o goleiro espalmou e Sassá mandou por cima em lance incrível; Roger, livre na área, cabeceou para fora; Sassá parou em milagre de Banguera.

No fim, a torcida aplaudiu e cantou o hino, em reconhecimento ao esforço e à campanha. Bola para a frente, Botafogo!

Texto: botafogo.com.br